A Esposa Deve Ter Ciúme?

A Bíblia ensina claramente que um certo tipo de ciúme é um desejo pecaminoso da carne que contraria o Espírito. O ciúme está incluído na lista de obras da carne de Gálatas 5.19–21. Tiago 3.16 diz que o ciúme traz confusão e toda espécie de coisas ruins. Então, deve uma esposa ter ciúme? Não, ela deve evitar esse tipo de ciúme.

Mas a Bíblia ensina sobre outro tipo de ciúme. Uma esposa deve ter ciúme por seu marido assim como Deus tem ciúme por seu povo. No Antigo Testamento, Deus se descreve como um Deus zeloso ao requerer adoração exclusiva no segundo mandamento. Sua reivindicação sobre os filhos de Israel é baseada na sua eleição e libertação (Êxodo 20.2).

A noiva de Cristo (a Igreja) foi escolhida e liberta por maior da morte de Cristo na cruz, por conta do seu amor por ela (Efésios 5.25–32). Esse mistério profundo compartilha algumas de suas características com os casamentos neste mundo. Ele é exclusivo, e deve ser resguardado com ciúme e defendido por conta da imagem sagrada que apresenta ao mundo.

Mas como a esposa demonstra esse ciúme santo?

  1. Ela deseja o coração de seu marido. Conversas profundamente pessoais com uma mulher são exclusividade dela. “Meu amado é meu e eu sou dele”, disse a esposa em Cantares 2.16. Ela batalha para desenvolver um relacionamento mais profundo com seu marido. Ela busca conselho de mulheres mais velhas sobre como amar seu marido (Tito 2.4). A esposa que tem ciúme pela atenção de seu marido comunica a ele pacientemente quando está se sentido negligenciada.
  2. Ela é zelosa pelo desenvolvimento de seu marido como um líder espiritual. Ela elogia pequenos passos sem compará-lo negativamente com outros. Ela oferece criticismo construtivo quando necessário, mas com gentileza (Gálatas 6.1). Essa esposa deseja aprender e vê em seu marido um meio de obter respostas a suas questões espirituais (1 Coríntios 14.35).
  3. Ela é vigilante para manter seu papel de auxiliadora a seu marido (Gênesis 2.18). O falar dela é cheio de conhecimento e sabedoria. Ela é uma sábia conselheira para seu marido (Provérbios 31:26). Ela sabe que é coerdeira das promessas e está disposta a compartilhar seu conhecimento espiritual.
  4. Ela guarda seu casamento diligentemente. Ela trabalha com seu marido para colocar proteções práticas que ajudam a guardar sua união sagrada. Cantares 2.15 exorta o amado a “apanhar as raposas e as raposinhas que devastam as vinhas”. Em alguns casos, isso pode significar um acordo mútuo de copiar um ao outro em e-mails, ou na concordância de não participar em viagens de negócios sozinhos, ou mesmo de não ter refeições sozinhos com pessoas do sexo oposto.
  5. Ela tem o direito sobre o corpo e os pensamentos sexuais de seu marido. Ela não deve ter concorrente. Ela zelosamente o guarda da “mulher proibida” descrita em Provérbios 5. Ela protege seu marido de relacionamentos com mulheres que podem causar tentação. Isso pode implicar em buscar ajuda caso seu marido lute com pornografia.
  6. Ela tem ciúme pela reputação de seu marido. Ela tem um zelo santo sobre sua honra e irá honrá-lo diante das pessoas (Provérbios 12.4). Ela é cuidadosa quanto ao modo de falar sobre ele a outros. Todos que a conhecem sabem quando ela respeita seu marido (Efésios 5.33). Como resultado, seu marido confia nela (Provérbios 31.11).
  7. Ela guarda o leito do matrimônio, que é sagrado (Hebreus 13.4), e batalha para trazer alegria a seu marido (Provérbios 5.18–19). Essa esposa se lembra que Deus descreveu o casamento como “muito bom”, e que ele sorri diante de um casal que se ama (Cantares 5.1c).
  8. Ela vigia a própria língua e o encoraja sabiamente (Provérbios 14.1, Efésios 4.29). O seu falar contém discernimento, é sensato e gracioso (Provérbios 16.21–24).
  9. Ela persevera quando sofre pecado. Ela segue a instrução do Senhor de falar com seu marido sobre a questão. Ela usa de gentileza na medida que busca restaurá-lo. Ela segue os passos dados em Mateus 18.16–17 para ajudá-lo, se for necessário.
  10. Ela mantém esperança por seu casamento. Ela persiste mesmo se for casada com um descrente (1 Coríntios 7.13), pois se lembra que Deus pode operar em seu casamento (1 Coríntios 7.16; 1 Pedro 3.1–6).
  11. Ela protege seu próprio coração. Ela encontra conforto em sabe que ela pertence ao Senhor, que tem ciúme por seu amor (Êxodo 34.14). Ela cultivará seu relacionamento com seu Deus. Ela vive para seu Criador, que é um marido para ela (Isaías 54.5).

“Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu braço, porque o amor é forte como a morte, e duro como a sepultura, o ciúme; as suas brasas são brasas de fogo, são veementes labaredas.” (Cantares 8.6)

 

[Este post, de autoria de Caroline Newheiser, foi originalmente publicado no blog da Biblical Counseling Coalition. Traduzido por Lucas Sabatier e republicado mediante autorização.]

Escrito por Lucas Sabatier

Lucas Sabatier é conselheiro certificado pela ACBC (Association of Certified Biblical Counselors) e mestrando em teologia prática pelo Southern Baptist Theological Seminary (Louisville–KY). É também advogado, formado em Direito pela PUC de São Paulo, e mestre em divindade pelo Faith Bible Seminary (Lafayette–IN, EUA). É casado com a Isabella, e pai da Ana Luisa e da Sophie.

Ver todos os posts do autor →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *