Problemas Sexuais no Casamento

Parece que todos querem falar sobre sexo. Exceto aqueles que mais precisam falar sobre esse assunto. Todo casal passa por períodos de dificuldade em sua vida sexual, mas eles raramente querem falar sobre isso. Em nossa cultura que promove uma caricatura do sexo como algo fácil, proveitoso e descomplicado, problemas sexuais podem ser embaraçosos, no melhor dos casos, e vergonhosos, no pior dos casos. Toda vez que eu sento com um casal que está passando por dificuldades na área sexual, eles quase sempre começam dizendo a mesma coisa: “Você é a primeira pessoa com quem vamos conversar sobre isso”. Na verdade, muitas vezes, eles estão tão envergonhados que quase não conversam sobre isso um com o outro.

Problemas sexuais no casamento aparecem de diferentes formas. Seja a falta de excitação sexual, sentir-se desconfortável com os desejos do cônjuge, fantasias recorrentes, diferentes níveis de desejo sexual ou qualquer outra coisa, problemas sexuais podem ser algo significativo no casamento.

Quando você pensa em uma cultura extremamente sexualizada combinada com a nossa sexualidade caída, não deveria ser surpresa que cristãos e incrédulos têm problemas em seus relacionamentos sexuais, mesmo quando estão casados. Mas, como toda consequência de nossos corações caídos nesse mundo caído, há esperança de perdão, cura, redenção e restauração através do evangelho. Então por onde você começa a abordar problemas sexuais com um casal?

Entenda o que é sexo

Primeiro, os casais precisam entender por que Deus criou o sexo. A maioria dos casais se casam com uma teologia fraca ou inexistente do sexo. Eles assumem que o sexo é o “brinde” que eles ganham ao se casar, como um presente cósmico de casamento. Mas Deus não criou algo tão poderoso como nossa sexualidade para ser somente um “algo a mais” no matrimônio.

Deus criou o sexo para ser uma experiência fundamental no casamento. Há três propósitos dados por Deus ao sexo—isto é, três propósitos sem os quais nosso relacionamento sexual falha em glorificar a Deus da forma como ele planejou.
O sexo é um meio de união pactual

Nossa sexualidade (que envolve todos os aspectos de atração, desejo e atividade física) foi planejado por Deus como uma forma pela qual marido e mulher se unem. Através do sexo, Deus une o casal de uma forma linda e misteriosa que envolve, em um ato, os aspectos físico, espiritual e emocional de nossa humanidade (Gênesis 2.24; 1 Coríntios 6.14–20).

O sexo é uma expressão do relacionamento conjugal

Cantares demonstra essa verdade, ilustrando como o relacionamento sexual provê uma expressão vívida da intimidade, vulnerabilidade, mutualidade, paixão e êxtase do casamento de uma forma única e poderosa. Sexo não é a expressão máxima do relacionamento conjugal, mas é uma forma única e poderosa.

O sexo é uma ilustração de algumas das dinâmicas relacionais entre Cristo e a Igreja

Se o sexo é uma expressão do relacionamento conjugal e o relacionamento conjugal deve ser uma ilustração do relacionamento entre Cristo e a Igreja, então nós não podemos negar a ligação direta entre os dois. Como John Piper escreveu, “Deus nos criou à sua imagem, homem e mulher, com personalidades e paixões sexuais, para que quando ele viesse a nós nesse mundo, houvessem palavras e imagens poderosas para descrever as promessas e prazeres da nossa aliança com ele através de Cristo”.

Lembre-se do poder do evangelho

Inevitavelmente, nossas experiências sexuais ficam aquém desse ideal elevado. Muitas vezes o sexo se torna uma fonte de conflito e desunião. Muitas vezes, o sexo se torna uma expressão dos nossos desejos egoístas ao invés de nosso amor sacrificial. Muitas vezes o sexo ilustra relacionamentos quebrados que obscurecem as palavras e imagens que Deus pretende que incorporemos.

Quando somos confrontados com o caos de nossa sexualidade e suas consequências em nossas vidas sexuais, pode se tornar óbvio o que somos chamados a “deixar de lado”. Mas é o chamado correspondente para “colocar” uma sexualidade abnegada que parece impossível. Nossos desejos sexuais (ou sua falta) são tão íntimos, tão fortes e, aparentemente, tão inatos, que normalmente duvidamos se realmente há alguma esperança.

Eu posso lembrar de incontáveis noites no meu próprio casamento que terminaram em lágrimas quando a desesperança agarrou os nossos corações e nós realmente acreditamos que não havia possibilidade de mudança. Estávamos tão sozinhos, quebrados e desencorajados, que não conseguíamos imaginar uma saída. Não importava quantos livros sobre o tópico nós líamos, todos pareciam nos condenar ainda mais mostrando que havia algo belo em relação ao sexo, mas que não éramos capazes de desfrutar.

Precisávamos de mais do que dicas, truques, ferramentas ou tempo. Precisávamos ser lembrados da verdade do evangelho e do poder transformador do Espírito, que pode transformar todas as partes do nosso ser, inclusive nossa sexualidade. Nossas mentes precisavam ser renovadas (Romanos 12.2; Efésios 4.23) com a verdade de quem somos em Cristo, em quem ele está continuamente nos transformando, de que tipo de Deus ele é. Precisávamos ser revigorados com a apreciação do seu amor, bondade e intimidade, antes de sequer sermos capazes de expressar amor, bondade e intimidade um ao outro sexualmente.

Agora, não me entendam de forma errada. Ser lembrado do evangelho não é uma espécie de cura mágica para os nossos problemas sexuais. Nossas mentes precisarão ser renovadas com a verdade de quem Deus é e de quem ele nos fez ser enquanto nossa sexualidade for impactada pela queda, o que será para o resto de nossas vidas. Mas ser lembrado do poder do evangelho é o fundamento para o crescimento de nossas vidas sexuais. E é a única coisa que, em meio as nossas mais profundas e difíceis lutas, nos dá esperança real e duradoura.

Busque o sexo como Deus planejou

Somente quando formos lembrados do poder do evangelho para transformar é que poderemos crescer em nossas lutas sexuais. Conforme o Espírito nos capacita, começamos a experimentar cada vez mais o sexo da forma como Deus planejou: um meio de união, uma expressão do nosso relacionamento e uma figura de Cristo e da Igreja.

Para esse fim, podemos procurar atender o chamado de amar sexualmente nosso cônjuge de forma que o abençoe e que expresse nosso profundo e permanente amor. Isto significa ter tempo para aprender os desejos do seu cônjuge e permitir que ele tenha tempo e espaço para explorar os seus desejos também. Ninguém está dizendo que isto não será estranho as vezes, mas o evangelho nos capacita a amar o próximo de formas que surgem naturalmente e que nos forçam a crescer.

Conforme nossas vidas sexuais começam a ter uma perspectiva eterna, entendemos que a frequência de relações sexuais no casamento é importante não somente porque “você quer” ou porque “eu quero”, mas por causa da forma como Deus nos chama a se relacionar sexualmente com o cônjuge e a expressar nosso amor um ao outro dessa forma única e poderosa.

Ao manifestarmos o fruto do Espírito em nosso amor pelo outro, começamos a manifestar paciência com a falta de excitação sexual, bondade quando temos desejos diferentes, domínio próprio com relação as nossas fantasias e o surgimento de esperança e alegria onde o desapontamento e a desesperança uma vez reinaram.

Eu sei que se você está lutando com a sexualidade no seu casamento, você está chegando ao fim desse artigo querendo mais. Você quer saber por onde começar. Você quer algo mais específico a sua situação. Você quer fazer perguntas sobre como o evangelho se aplica e como o amor capacitado pelo Espírito se parece. Mas esses não são o tipo de perguntas que eu consigo responder em um artigo.

E é por isso que você precisa desesperadamente caminhar com os seus problemas sexuais no casamento no meio da comunidade. Deus nos deu o corpo de Cristo para caminhar conosco em meio aos nossos problemas. Ele chama aqueles ao nosso redor a nos confortar, nos dar esperança, renovar nossas mentes, e nos ajudar a encontrar o caminho a seguir. Se você não sabe como trazer o seu problema, talvez uma forma seja encaminhar esse artigo para um amigo ou pastor e simplesmente dizer, “Este sou eu… podemos conversar?”

Deus colocou você no corpo de Cristo que você se encontra para encontrar ajuda para navegar em meio a essas águas difíceis. E se você está lutando sexualmente no seu casamento, você não está sozinho. A verdade é que, de uma forma ou de outra, todos nós estamos. Nós simplesmente não gostamos de falar sobre isso, mesmo que precisemos desesperadamente disso.

Este não é o lugar para responder todas as suas perguntas, mas minha oração é que essas verdades possam lhe dar esperança, se nada mais lhe dava. Esperança suficiente para continuar lutando. Esperança suficiente para chegar a alguém de sua igreja para obter ajuda. Esperança suficiente para se lembrar de que o trabalho de Deus na sua vida não está completo e que o trabalho dele na área sexual do seu casamento também não terminou.

[Este post, de autoria de Scott Mehl, foi originalmente publicado no blog da Biblical Counseling Coalition. Traduzido por Gustavo Santos e republicado mediante autorização.]

Escrito por Gustavo Santos

Gustavo Santos é engenheiro, e mestrando em Divindade pelo Faith Bible Seminary (Lafayette, IN, EUA). Atualmente, serve como estagiário na Igreja Batista Maranata em São José dos Campos - SP.

Ver todos os posts do autor →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *