Provendo Restauração e Esperança

O DEUS QUE RESTAURA
“O Significado das Torrentes do Negueve em Salmo 126:4”
Provendo Esperança e Restauração ao Aconselhado

Muitas vezes os crentes, igrejas quando celebram aniversários utilizam o verso 2 do Salmo 126 para darem testemunhos das bênçãos recebidas citando: “Grandes coisas o Senhor fez nós; por isso estamos alegres”.

É muito bom o crente expressar sua alegria pelas grandes coisas que o Senhor tem feito, porém, no ímpeto de citar versos conhecidos, deixamos de dar atenção ao contexto, não observando versos que seriam muito importantes para um bom entendimento do que o Senhor quer nos mostrar.

No Salmo 126 há um verso que por ser relacionado ao ambiente judaico passa despercebido quando fazemos uso deste belíssimo salmo, é o verso quatro: “Restaura, Senhor a nossa sorte, como as torrentes do Negueve”.

O que significa as torrentes do Negueve? O que o salmista quis realçar ao fazer uso de uma situação geográfica puramente judaica? Como o entendimento desta situação nos levará a sermos mais gratos em nossa demonstração de alegria e esperança?

O termo Negueve, significa Sul. É traduzido também por deserto, pois se refere também à região árida localizada ao Sul de Israel.

Outra palavra do verso que precisamos compreender é torrente. O Novo Dicionário Brasileiro Melhoramentos define como: Curso de água impetuoso e de grande velocidade. Abundância, grande quantidade de coisa que cai ou jorra.

Na Bíblia Hebraica, o termo usado para torrente é , (que se lê afiq), que o léxico BDB (Brown, Driver and Briggs) p. 67, traduz por canal, leito do ribeiro, ravina e wady (ribeiro de águas perenes). O Dicionário: “O Estudos de Vocábulos do Antigo Testamento de Larry A. Mitchel” traduz por corrente de água, canal.

O que muitas vezes acontece quando lemos a Palavra de Deus é não darmos atenção às situações que achamos serem puramente judaicas, deduzindo que não tem muita importância, pois é aí onde perdermos a oportunidade de perceber a beleza dos significados que os autores bíblicos quiseram dar.

Como é possível haver torrentes no deserto? É possível imaginar uma corrente de águas impetuosa num lugar deserto?

Olhando-se um mapa pode-se notar que o Negueve é a região montanhosa situada ao sul de Israel. O Solo dessa região é formado por um material chamado “loess”, que com o calor, a parte mais exposta se torna numa camada de pó ficando muito destacada no solo.

Ao caírem as primeiras chuvas no fim de setembro e início de outubro, no alto das montanhas do Negueve, as chuvas não são facilmente absorvidas pela terra por causa da condição típica desse solo, “loess”.

A camada fina de pó se solidifica com o cair das primeiras chuvas formando-se uma crosta. À medida que as águas descem montanha abaixo elas vão se avolumando cada vez mais como se estivessem dentro de um canal desaguando torrencialmente quando chegam ao pé da montanha formando um verdadeiro mar.

Já houve caso de turistas menos advertidos, que subindo as montanhas do Negueve na época das chuvas foram pegos de surpresa, tiveram que abandonar seus carros às pressas e se refugiarem nas encostas das montanhas para salvarem suas vidas em virtude do grande volume de água que descia.

Mas como isto nos ajuda a entender melhor o Salmo? E fornecer esperança àqueles que precisam ser restaurados? Note que o salmista inicia este salmo descrevendo o retorno deles para Israel mostrando que o Deus de Israel é o Deus que restaura.

O que Deus restaura?

  1. Deus restaura a alegria (vs 1-2);
  2. Deus restaura a confiança em Deus (v: 3);
  3. Deus restaura a terra (v: 4) e
  4. Deus restaura a abundância dos frutos (5 – 6).

A oração do Salmista revela o desejo deles, os israelitas, serem restaurados como as torrentes do Negueve.

O que o Salmista está pedindo é que assim como aquelas torrentes eram aguardadas pelos agricultores no sopé da montanha com muita esperança, o que lhes dariam condições de plantio e provisão até a próxima safra, assim, o salmista deseja que eles sejam supridos abundantemente pelas bênçãos do Senhor.

O retorno à terra de Israel era um momento alegre, mas, sem a restauração do Senhor, a alegria estaria incompleta.

Assim como as torrentes eram provedoras de irrigação e restauradoras para um solo árido, assim o salmista deseja ser restaurado da sua aridez através das torrentes das bênçãos supridoras de Deus.

Quando Cristo nos salvou fomos restaurados de nossa aridez espiritual para vivermos sempre supridos com torrentes supridoras de Deus, assim nós lemos em João 7: 38, “Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão (jorrarão) rios de água viva”.

No Aconselhamento Bíblico prover esperança e restaurar o aconselhado é uma tarefa que o Conselheiro sempre deve ter em mente quando lidar com as dificuldades de quem ele aconselha.

Escrito por Pr. Flavio Ezaledo

Flávio Ezaledo é Presidente da ABCB, Pastor e conselheiro bíblico da Igreja Batista da Fé em São José dos Campos – SP. Mestre em Teologia e Exposição Bíblica, com ênfase no Antigo Testamento, pelo Seminário Bíblico Palavra da Vida, cursando Mestrado em Aconselhamento Bíblico no CETEVAP. Reitor e Professor de Teologia Bíblica do Antigo Testamento, Hebraico e Exegese do Hebraico no Centro de Estudo Teológico do Vale do Paraíba (Cetevap). Certificado pela BCF (Biblical Counseling Foundation). Casado com Ingrid – 3 Filhos: Thifani (casada com André), Nathan e Livian e avô do Tito.

Ver todos os posts do autor →

Este artigo tem 1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *