“…sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo. As mulheres sejam submissas a seus próprios maridos, como ao Senhor.”

“Maridos, amai as vossas mulheres, como também Cristo amou a Igreja, e a Si mesmo se entregou por ela.”

Efésios 5:21-22, 25

 

Deus tenciona e espera que o casamento seja um compromisso entre um homem e uma mulher, baseado nos princípios do amor bíblico e com duração para o restante da vida. O relacionamento entre Jesus Cristo e a Sua Igreja é o exemplo supremo de amor compromissado que deve ser seguido pelo marido e pela esposa em seu relacionamento mútuo (baseado em Eclesiastes 9:9; Malaquias 2:14; Mateus 19:3-6; Marcos 10:6-9; 1 Coríntios 13:4-8a; Efésios 5:21-33).

I. O ponto de vista de Deus

(Princípio 60) O casamento não é uma conveniência social, nem uma simples invenção para que duas pessoas vivam juntas. Ele é ordenado por Deus como uma aliança de companheirismo e complementação mútua (baseado em Gênesis 2:18, 22-25; Malaquias 2:14; Mateus 19:3-6; 1 Coríntios 7:10-11), e tem o propósito de guardar os cônjuges um para o outro no relacionamento físico (1 Coríntios 7:2-5).

(Princípio 61) A união conjugal foi projetada para ser um relacionamento de unidade e permanência em uma só carne (Gênesis 2:24; Marcos 10:6-9; Efésios 5:31), refletindo o relacionamento amoroso entre Cristo e a Sua Igreja (Efésios 5:21-33).

II. A sua esperança

(Princípio 62) Se você for casado, a Palavra do Deus o ensina a amar o seu cônjuge (Efésios 5:25; Tito 2:4) e, se você for crente em Jesus Cristo, você já recebeu capacitação para fazê-lo (Romanos 5:5). Ainda que o seu cônjuge jamais pratique o amor bíblico, você pode ter paz (Salmo 119:165; João 14:27, 16:33; Romanos 12:18; Gálatas 5:22-23) e fazer a sua parte para promover a harmonia no lar (1 Pedro 3:8-9). Lembre-se de que você não é responsável por mudar outros (baseado em Ezequiel 18:20; Filipenses 1:6, 2:13), mas por examinar continuamente a si mesmo de modo bíblico (Mateus 7:1-5; 1 Coríntios 11:31).

(Princípio 63) Dispondo-se a ser um servo em moldes bíblicos e uma bênção na vida do seu cônjuge (baseado em Romanos 12:9-21; Efésios 5:21-33; Filipenses 2:3-4), você pode estar certo de que Deus vai operar todas as coisas para o bem dentro do seu relacionamento conjugal. Ninguém, nem mesmo um cônjuge descrente, sem amor ou rebelde, pode impedir a ação de Deus (baseado em Romanos 8:28-29).

 

“Mulheres, sede vós, igualmente, submissas a vossos maridos, para que se alguns deles ainda não obedecem à palavra, sejam ganhos, sem palavra alguma, por meio do procedimento de suas esposas.”

“Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento; e, tendo consideração para com a vossa mulher como parte mais frágil, tratai-a com dignidade, por isso que sois juntamente herdeiros da mesma graça de vida, para que não se interrompam as vossas orações.”

1 Pedro 3:1, 7

 

Visto que o relacionamento conjugal deve ter como modelo o relacionamento entre o Senhor Jesus Cristo e a Sua Igreja, o mandamento para amarmos uns aos outros é de importância fundamental. A prática do amor requer dependência constante de Deus e o compromisso de seguir o modelo de servo exemplificado pelo Senhor Jesus Cristo (baseado em Mateus 20:25-28; João 13:12-17, 15:5; Efésios 5:21-33; Filipenses 2:3-8; 1 João 4:7-8).

III. A sua mudança

(Princípio 64) Maridos, despojem-se de toda dureza e amargura para com as suas esposas. Revistam-se de amor e de compreensão à exemplo de Cristo, que também amou a igreja e se entregou por ela (Efésios 5:25; Colossenses 3:19; 1 Pedro 3:7). Para ser um líder verdadeiro, você precisa ser um verdadeiro servo em atitudes e ações (Mateus 20:25-28; João 15:11-13; Efésios 5:21, 25-33; Filipenses 2:3-8)

(Princípio 65) Esposas, despojem-se de todo espírito de discussão e contenda. Revistam-se de amor, submissão e respeito para com os seus maridos (Provérbios 21:9; João 15:11-13; Efésios 5:21-24, 33; Colossenses 3:18; Tito 2:3-5; 1 Pedro 3:1-6).

(Princípio 66) Amar o seu cônjuge como Deus ordena (1 João 3:23) exige que você morra diariamente para os seus desejos egoístas (Lucas 9:23-24) e viva para agradar a Deus e servir ao seu cônjuge (Mateus 22:37-39; Efésios 5:21; Filipenses 2:3-8).

IV. A sua prática

(Princípio 67) Para cumprir com fidelidade as suas responsabilidades conjugais, você deve depender da força do Senhor e da sabedoria da Sua Palavra. Não dependa de força ou sabedoria naturais (baseado em Provérbios 3:5-6; Isaías 55:8-11; João 15:1-5; 2 Timóteo 3:16-17; 1 João 2:4-6, 3:23-24). Cumprindo fiel e amorosamente as suas responsabilidades, você demonstra amor a Deus (Mateus 22:37-38; 1 João 5:3) e ao seu cônjuge (1 Coríntios 13:4-8a; 1 João 3:18, 4:7-8).

(Princípio 68) Quando você falhar no amor conjugal, será possível restaurar a comunhão com o Senhor e o seu cônjuge (baseado em Salmo 145:14; Provérbios 24:16; Mateus 5:23-24). Para restaurar a comunhão com Senhor, você precisa confessar diante dEle o seu pecado (Salmo 51:1-4; 1 João 1:9) e voltar ao seu compromisso inicial de viver para Ele: (a) lembrando-se de onde você tropeçou, (b) arrependendo-se e (c) voltando às obras que praticava no princípio como evidência do seu amor ao Senhor (João 14:15; 1 João 5:3; Apocalipse 2:4-5).